Pedalando em Porto Alegre
Avalie essa matéria

Pedalando em Porto Alegre: como as bikes transformam a cidade

Há cinco anos, o psicólogo e músico Daniel Hennemann tomou uma decisão que mudou sua vida: ele adotou a bicicleta como meio de transporte. A mudança foi para melhor. Pedalar, em vez de dirigir um carro ou andar de ônibus, transformou, sobretudo, sua relação com a cidade: “O mais interessante é a sensação de liberdade que a bicicleta proporciona. Ficou muito mais fácil e rápido chegar aos lugares, e bairros que pareciam distantes passaram a ficar perto.”

Bicicletas estão cada vez mais fazendo parte das paisagens de Porto Alegre
Bicicletas estão cada vez mais fazendo parte das paisagens de Porto Alegre

#hellocidades, o projeto de Motorola que incentiva um nova relação com as cidades brasileiras, pega carona na tendência das bicicletas no meio urbano e conta um pedaço das histórias de quem vive melhor sobre duas rodas na capital gaúcha.

Daniel começou a pedalar com frequência quando foi morar em Florianópolis para cursar a faculdade de psicologia. De volta a Porto Alegre, mesmo com receio, ele se dispôs a fazer tudo que fosse possível de bicicleta. Aos poucos foi pegando gosto. E condicionamento físico também. Em sua opinião, a mobilidade urbana e a qualidade de vida teriam uma melhora substancial se o uso da bicicleta ganhasse mais incentivo dos governos. “Como estou tão perto dos carros, vejo o quanto a fumaça é tóxica, o quão estressante é o barulho dos motores, o quão alto é o som das buzinas”, diz.

Para Daniel, bicicleta é sinônimo de qualidade de vida (Daniel Hennemann/Arquivo pessoal)
Para Daniel, bicicleta é sinônimo de qualidade de vida (Daniel Hennemann/Arquivo pessoal)

Ao mesmo tempo, ele próprio também toma seus cuidados para ficar menos exposto aos riscos. “Sei que na rua estou bastante vulnerável à força dos carros, por isso procuro não ter pressa e seguir todas as normas, mesmo que esteja atrasado”, explica, destacando que, apesar de ainda estar longe do ideal, o número de ciclovias em Porto Alegre aumentou, assim como os estacionamentos para os ciclistas. “A ideia da bicicleta como meio de transporte virou símbolo de uma nova cidade possível”, analisa.

A capital gaúcha apresentou em 2008 um Plano Diretor Cicloviário que prevê 395 quilômetros de ciclovias. A implantação tem ocorrido de forma lenta. Até o fim de 2017, segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), serão 50 quilômetros. Ainda é pouco, mas o uso da bicicleta como meio de transporte parece prosperar, e surgem iniciativas para ajudar os ciclistas urbanos. O Biciponto, por exemplo, é um projeto de empreendedorismo social, com financiamento coletivo, que faz parceria com estabelecimentos comerciais para instalar um painel com kit de ferramentas, que podem ser usadas gratuitamente para reparos em bicicletas.

A iniciativa é elogiada por Mariam Pessah, para quem a bicicleta é muito mais do que um meio de transporte. Ela não imagina o cotidiano sem a sua “Cleta”. Pedalar lhe ajuda a refletir sobre a vida. “A Cleta é minha companheira. Quando estou sem forças, eu sei que posso confiar nela”, diz Mariam, que se define como “artivista” – estuda escrita criativa e também se engaja na luta feminista.

Ela, porém, alerta para os riscos de se aventurar no trânsito de Porto Alegre. Reclama que, às vezes, os motoristas não aceitam a presença de ciclistas entre os carros e se comportam de modo agressivo. Ela já sofreu alguns acidentes quando estava fora das ciclovias, mas diz que não pode deixar o medo paralisá-la.

Mariam não se separa de Cleta, sua companheira de aventuras (Mariam Pessah/Arquivo pessoal)
Mariam não se separa de Cleta, sua companheira de aventuras (Mariam Pessah/Arquivo pessoal)

Mariam conta que costuma ouvir que é loucura uma mulher andar sozinha de bicicleta na cidade. Mas isso só aumenta a sua autoconfiança. “Se a gente enfrenta as atitudes machistas no trânsito, ganha mais força para enfrentar o machismo no cotidiano”, diz, convidando quem não pedala para experimentar. Uma boa ideia para começar é o passeio às margens do Guaíba, lugar de um famoso pôr do sol e bike friendly.

Tomou coragem? Então está na hora de explorar Porto Alegre de um jeito diferente, em cima de uma bicicleta. Não se esqueça do capacete e de outros equipamentos de segurança. E nem do celular — afinal, é com ele que você vai registrar suas novas aventuras. Coloque as fotos nas redes sociais e compartilhe com a hashtag #hellocidades. Reconecte-se com Porto Alegre em hellomoto.com.br.

Todos estão lendo também

Compatilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Pedalando em Porto Alegre

Pedalando em Porto Alegre
Avalie essa matéria

Bicicletas estão cada vez mais fazendo parte das paisagens de Porto Alegre

Bicicletas estão cada vez mais fazendo parte das paisagens de Porto Alegre

Compatilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.